A SUCESSÃO NA PROPRIEDADE RURAL

Desde as primeiras famílias que vieram ao Paraná para iniciarem a colonização e com isso as atividades no campo, as famílias trabalhavam juntas. Com o passar do tempo, a tendência era a sucessão da propriedade rural assim que os pais chegavam na terceira idade, sendo os filhos que tomavam a direção. Com o passar do tempo houve uma mudança neste perfil. Ainda com famílias numerosas, alguns dos filhos buscavam o estudo e formação, sendo que em muitos casos, não retornavam à propriedade da família. Porém, passado mais um tempo, esse processo novamente está se revertendo e muitos estão se formando e retornando ao campo, aplicando o conhecimento e aprimorando os processos de produção. É a sucessão na propriedade rural como o foco de cooperados e cooperativa.

LARANJEIRAS DO SUL
Esse é o caso do cooperado Nelson Lima dos Santos de Laranjeiras do Sul e seu filho Nelson Junior. Em duas propriedades na área rural do município, são 22 alqueires de área total, tendo a atividade leiteira e granja de suínos. Nelson explica que o plantel de gado da propriedade em sua maioria é tratado em confinamento, sendo dividido em corte e leite. “Em lactação são 60 animais, sendo 20 em confinamento e o restante em semi confinamento, produzindo uma média de 1500 litros de leite por dia”. Esta melhoria na questão da nutrição dos animais, o confinamento e semi confinamento, foi um projeto desenvolvido pelo filho do cooperado, que se formou em medicina veterinária há seis meses e retornou à propriedade para dividir as responsabilidades. “Hoje meu filho é quem atua na parte leiteira, deixando comigo a parte da suinocultura. Já é possível notarmos a diferença naquilo que ele está implementando na atividade de leite”, enalteceu Nelson que complementou, “a intenção é fazer a sucessão completa em alguns anos e deixar que ele tome a gestão de toda a propriedade, afinal, nós já trabalhamos muito e ficamos orgulhosos de saber que ele retornou para nos ajudar e se inteirar de algo que será dele no futuro”.

RAÇÕES PRIMATO
Pai e filho tem a mesma opinião quando se trata da nutrição dos animais, principalmente
as rações. “Utilizamos as rações da Primato em cada categoria de nosso plantel e estamos satisfeitos com os resultados obtidos”, explicou Junior que ainda complementou, “desde que a Primato se estabeleceu em Laranjeiras utilizamos as rações e podemos afirmar que faz a diferença”. Segundo Nelson a escolha das rações da Primato foi feita com base em um estudo aplicado na propriedade, onde foram utilizados as rações da cooperativa e de uma outra empresa do segmento. “Fizemos esse teste para termos a certeza que a escolha era pela melhor ração, com assistência técnica completa. Optamos pela Primato porque o desempenho e a sanidade dos animais foi bem melhor”.

COOPERATIVA
Em relação a cooperativa, Nelson faz questão de enaltecer a importância da Primato em sua atividade e como a condução dos negócios feitos pelas diretorias ao longo do tempo fazem a diferença. “Nós sempre fomos a favor de atuar com cooperativa e quando a Primato, ainda Cooperlac, se estabeleceu em Laranjeiras do Sul, já optamos trabalhar juntos porque neste segmento surgem muitos atravessadores e que não dá respaldo. Já na Primato nós temos um pacote de tudo que precisamos, além das rações, sal mineral, medicamentos, aproveitando as melhores condições que a cooperativa pode oferecer”. O cooperado ainda ressalta a parceria entre cooperado e cooperativa. “Penso que é assim que funciona a parceria, pois é uma relação diferenciada. Temos que aproveitar o que ela pode oferecer, sempre com a expectativa de que a cooperativa veja o lado do cooperado,
aqueles que têm fidelidade, comprando e vendendo”, Nelson concluiu exaltando a administração da Primato. “Creio que os diretores e profissionais estão fazendo um ótimo trabalho e espero que a cooperativa possa sempre ter esse crescimento com o foco no cooperado e no que ele produz”.

Voltar