PRIMATO INICIA TRABALHO DE PESQUISA E NOVOS NEGÓCIOS

Criação da Coordenação e Inovação em tecnologia visa alinhamento e gestão dos processos da cooperativa.

Com um crescimento expressivo nos últimos anos, diversificando os negócios e agregando cada vez mais produtos e serviços, fez com que a Primato Cooperativa Agroindustrial desenvolvesse um setor de Pesquisa, Coordenação e Inovação em Tecnologia, visando um alinhamento e, principalmente suprir lacunas que foram ocorrendo oriundo desta evolução, que somente em 2016 foi de 47% superior em comparação com o ano anterior.

O objetivo está em desenvolver o alinhamento interno no que se refere a cadeia produtiva, industrialização e comercialização dos produtos. “Uma das funções que temos é atuar entre os setores da cooperativa, e um exemplo disso é a indústria de alimentos para animais, com sua produção agora automatizada, na parte comercial com os vendedores internos e externos de todas as unidades, com a área técnica de nutrição da indústria”, explicou o coordenador técnico de pesquisa e desenvolvimento, Vicente Matsuo que acrescentou, “esses setores agora terão um alinhamento sobre nossa capacidade de produção, gestão de vendas e logística, para que possamos produzir com qualidade, dentro do prazo, tudo pensado nos benefícios de nossos associados”.

Estrutura

Segundo Vicente, há 30 dias estão trabalhando para estruturar o setor com profissionais que vão dar o suporte para as áreas. “Estamos agora com três profissionais que são os Assistentes técnicos comerciais, os ATCs, facilitadores que visam  atuar principalmente com os líderes dos setores envolvidos, afinal, é através deles que haverá uma fusão entre as áreas, trazendo com isso a excelência na atuação da cooperativa com seus produtos e serviços, em benefício dos cooperados ”.

Neste período também foi criado um plano de ação para que os profissionais envolvidos possam executar, gerenciar e alcançar as metas estabelecidas. “Uma das novidades está no trabalho com a piscicultura, onde estamos com um profissional com vasta experiência e mestre no assunto, alinhando com uma nova linha de rações para peixes, além de toda assistência técnica para que os açudes possam ser instalados ou adequados, dentro dos nosso objetivos”, enalteceu Vicente.

Novos Negócios

A diversificação dos negócios na Primato é uma busca constante, afinal, dentro da propriedade rural, onde a maioria dos associados são pequenos e médios produtores, diversificar é mais que uma tendência, mas sim uma necessidade. “Também temos a missão de analisar o mercado, fazer pesquisas para agregar novos produtos, serviços, melhoria nas rotinas de produção, verificar o que há de mais moderno e tecnológico para essas oportunidades”, apontou Vicente que continuou, “assim, trazer as ideias e transformar àquelas que têm viabilidade em algo concreto que vai agregar valor nas atividades da Primato, sempre com base em nossa missão e valores”.

Associados

Vicente explica ainda que todo o processo do novo setor busca um desenvolvimento das atividades de forma cada vez mais profissional, pois é o que agrega valor a cooperativa e aos associados. “Os associados da Primato vão ser beneficiados não somente com a geração de lucros com atuação mais otimizada, mas sim, são parte fundamental deste processo, pois uma de nossas funções também é o suporte técnico na propriedade rural”.

Melhorias na produção de leite, suíno, na parte agrícola, no desenvolvimento de novas atividades como ovinocultura e piscicultura, vão também melhorar as condições de trabalho no campo. “Essa é uma das principais missões de nosso setor, estruturar e melhorar a vida do produtor rural, fazer com seus filhos tenham engajamento e que busquem com isso, estar envolvidos e pensando no futuro. Estudem, se formem, mas voltem para a propriedade rural e apliquem este conhecimento, com todo o suporte necessário vindo da Primato”, expressou Vicente que concluiu, “conseguindo alcançar esses objetivos, que temos certeza que sim, estaremos evoluindo a cooperativa, mas principalmente, deixando um legado para as futuras gerações que irão conduzir o agronegócio de nossa região”.

 

Voltar