PRIMATO FAZ MAPEAMENTO DA PISCICULTURA ENTRE ASSOCIADOS

Planejamento visa o desenvolvimento da atividade entres os cooperados das regiões Oeste e Sudoeste do Paraná.

 

Com o objetivo de apresentar soluções em diversificação de atividades aos associados, a Primato Cooperativa Agroindustrial iniciou um estudo sobre a piscicultura em sua área de atuação entre os associados e o com isso, ter informações sobre o potencial da atividade. Há cinco anos, a cooperativa atua com a Ração Prima Raça Peixes, visto que a piscicultura vem crescendo exponencialmente a cada ano.

“A região oeste do Paraná, principalmente Toledo, se destaca pelo alto número de propriedades que tem a atividade, sendo a tilápia aquela com maior adesão dos produtores”, explicou o assistente técnico comercial em piscicultura, Vinicius Ricardo Calcagno Bridi, responsável pela estruturação, pesquisa e desenvolvimento do plano de ação para atividade na Primato.

RECONHECIMENTO

Segundo Vinicius, a Primato atua no mercado de rações para peixes desde 2012, mas ainda numa parcela pequena, considerando a quantidade de açudes e produtores que têm a atividade. “O objetivo do nosso trabalho é fazer um reconhecimento da atividade, considerando que nossa região, especificamente Toledo, tem um número expressivo de produtores com açudes e desenvolvendo a piscicultura, seja para criação dos alevinos ou de açudes para engorda”, enalteceu Vinicius que ainda explicou, “com os dados compilados, poderemos ter uma posição sobre a expansão da atividade dentro da cooperativa, reconhecendo os associados que já tem, qual sua capacidade de produção, e assim, ter o plano de ação para expansão da piscicultura na Primato”.

PROCEDIMENTO

A expansão da piscicultura faz parte do processo de criação do setor de pesquisa e inovação recentemente implementado na cooperativa. “A minha vinda para a Primato foi através do setor de pesquisa e inovação coordenado pelo Vicente Matsuo. O desafio é justamente expandir a atividade que tem grande potencial na região de atuação da cooperativa”.

Além da pesquisa, a Primato já desenvolve treinamentos e capacitações com a equipe comercial, buscando uma cooperação entre os setores para que os dados sejam mais assertivos. “Além do reconhecimento, estamos desenvolvendo treinamentos com a equipe comercial, traçando procedimentos que serão adotados na expansão da atividade dentro da cooperativa”, destacou Vinicius.

PRODUÇÃO

Segundo o assistente técnico, a compilação dos dados e desenvolvimento de um plano de ação será entregue até o final deste ano. “Assim, teremos a possibilidade de apresentar um plano de ação que contempla uma maior atuação da atividade entre nossos cooperados, aumentando a produção de rações para peixe e com isso, indicarmos a implementação de uma planta própria na fabricação da mesma, que hoje é terceirizada”, explanou Vinicius que concluiu, “a atividade é sem dúvidas uma das melhores para a diversificação da propriedade rural e essa é a nossa meta. Com ração de qualidade, assistência técnica do início ao fim de cada lote, captando toda a produção, teremos inclusive dados concretos para indicação de abertura de um frigorífico de carne de peixe. Um passo de cada vez”.

CICLO

O técnico explicou ainda que o ciclo de produção de um lote de tilápias varia entre seis a oito meses, sendo que em média cada uma delas tem entre 700 a 800 gramas, com potencial de 34 a 38% de filé, considerado o ideal em açudes de alto nível de produção.

Voltar